3 dicas para ver a Aurora Boreal com os próprios olhos

Reunimos algumas dicas para quem sonha em conhecer de perto a Aurora Boreal, um dos fenômenos naturais mais fascinantes. É seu sonho também? Então, este post é para você.

Ver a Aurora Boreal pelo menos uma vez na vida é o sonho de muitos viajantes aventureiros. O brilho forte das luzes verdes que rasgam o céu escuro do polo norte é um fenômeno natural fascinante. Mas “caçar” esse presente da natureza exige muito preparo e pesquisa, para que a viagem não seja perdida. Afinal, estamos falando de um acontecimento totalmente espontâneo, que está fora do nosso controle e, por isso, o planejamento da viagem é essencial.

Neste post, fizemos um compilado de dicas para quem sonha em ver de perto essa maravilha da natureza. É uma dessas pessoas? A gente te entende e te convida a colocar esse sonho em prática. Vamos lá? 

3 dicas para “caçar” a Aurora Boreal

1 – Saiba onde ir

As luzes do norte podem ser vistas de diversos países que possuem área dentro do círculo polar ártico. Ou seja: Canadá, Groenlândia, Islândia, Noruega, Suécia, Finlândia e Rússia, além do estado norte-americano do Alasca. Um dos pontos mais importantes a serem levados em conta na busca pela Aurora Boreal diz respeito às condições climáticas do dia, já que o céu precisa estar limpo para que as luzes possam ser vistas. A principal diferença entre cada um dos países onde é possível ver a Aurora Boreal está na facilidade de acesso até as regiões de boa visibilidade, além da infraestrutura de acomodação e das estradas.

Países como a Noruega e a Finlândia são famosos por receberem turistas de todas as partes do mundo, que viajam com o único objetivo de ver as luzes. Por isso, oferecem boa infraestrutura para que a viagem se torne mais confortável. No entanto, é preciso considerar que os países nórdicos europeus também figuram na lista dos mais caros do mundo. Ou seja, é fundamental preparar também o bolso antes de viajar.

2 – Saiba quando ir

A Aurora Boreal só é visível em noites escuras e de céu limpo. Durante os meses de verão, é normal que a incidência de luz no polo norte seja muito alta. Portanto, as luzes não aparecem, já que os dias são praticamente infinitos. O ideal é fazer a sua viagem a partir de setembro, quando as luzes começam a se tornar visíveis, até o mês de abril.

Mesmo assim, é bom ter cuidado: durante os meses de alto inverno – novembro, dezembro e janeiro – é normal que ocorram fortes nevascas e que as temperaturas fiquem muito abaixo de zero graus, o que torna a experiência mais desafiadora. Em fevereiro, as nevascas começam a diminuir e, ainda que o frio permaneça, muitos “caçadores de Aurora Boreal” optam por viajar nesta época. 

3 – Vá pelo lugar, não apenas pela Aurora

Tenha em mente que a Aurora Boreal é um fenômeno natural. É impossível ter 100% de certeza de que elas vão aparecer em determinada noite, que não haverá nuvens no céu ou que não estará chovendo ou nevando. Por isso, quando decidir viajar do Brasil até o polo norte, escolha um lugar que você gostaria de conhecer, com paisagens incríveis e diferentes das que estamos acostumados! Inclua também no roteiro outras atividades de seu interesse nestes locais. A Islândia, por exemplo, é um país onde a Aurora é apenas um dos espetáculos da natureza  e que vale muito a pena conhecer a fundo.  Dessa forma, você não vai se decepcionar se não conseguir ver as luzes e não vai perder a viagem. 

Young adventurist couple hugged while gazing in the dark night sky under the spectacular celestial lights Aurora Borealis, which makes Iceland popular spot for tourist willing to witness one of the greatest natural phenomenon. Shot with Canon EOS, wide angle lens, f2.8, long exposure.

Casal curtindo a dança das cores na Islândia. Você pode ser um deles, hein?

Sonhando em “caçar” a Aurora Boreal? Então, acesse o site da MaxMilhas e veja como a gente pode ajudar você a chegar lá! Quer mais dicas de viagem? Cola com a gente no Facebook, Twitter e Instagram. 😉 

 

 

Deixe seu comentário!