Como é viajar na pior empresa aérea do mundo

O blogueiro gaúcho Gabriel Britto teve uma oportunidade que poucos brasileiros – talvez nenhum – tiveram até hoje: voar pela Air Koryo, empresa aérea estatal do governo norte-coreano. Ela é a única empresa do mundo que tem apenas uma estrela no ranking do Skytrax que avalia a qualidade das empresas aéreas de todo o mundo.

“Padrões muito baixos” e “qualidade inconsistente” são alguns dos adjetivos que a Skytrax destina à empresa norte-coreana. Como é a única na categoria de uma estrela, ela é considerada “a pior companhia aérea do mundo”. A única empresa brasileira na lista é a TAM, que possui três estrelas. Caso queira conferir a lista, clique aqui.

Ele contou em seu blog como foi a experiência e nós do MaxMilhas achamos que seria interessante dividir com vocês a aventura do brasileiro. Se a qualidade dos nossos aeroportos e o atendimento das empresas aéreas deixam a desejar na opinião de muitos passageiros, saibam que nada é tão ruim que não pode piorar. Partindo da China para driblar a burocracia do governo comunista, ele voou em uma aeronave soviética construída provavelmente na década de 60.

De acordo com o publicitário, os norte-coreanos podiam ser identificados facilmente na aeronave por causa dos broches com as figuras dos falecidos ditadores comunistas do país – Kim Il-sung (Grande Líder) e Kim Jong-il (Querido Líder) – que usavam. O interessante, aponta Britto, é que apesar do país ser socialista havia duas classes no avião – econômica e executiva.

E a comida? Nas palavras do blogueiro era “horrível”. Entre as opções de bebida estavam água, cerveja norte-coreana (servida em garrafa de vinho) e outros refrigerantes locais – nada de coca-cola. Para se distrair no voo, o brasileiro conta que só havia uma revista em coreano, que ele definiu como “um material de propaganda do governo”.

A conservação tanto da aeronave quanto do aeroporto eram lamentáveis. Britto relata que na decolagem uma peça do teto se soltou: “Nada que comprometesse, mas foi engraçado. (…) Lembro que um turista deu uma gargalhada muito alta”. No aeroporto a situação não era muito diferente. Além de capim alto e luz fraca (apagões são frequentes na Coréia do Norte), “a torre de controle estava caindo aos pedaços, com remendos de madeira”. Elogios? Há sim! As poltronas da nave soviética se inclinavam tanto para frente quanto para trás, o que permitia esticar as pernas, caso não tenha ninguém na poltrona adiante.

Apesar de tudo, o brasileiro diz que já viu companhias piores. Sobre o país, Britto disse que só poderia conhecer locais que o governo permitia, isto porque “tudo tem que parecer perfeito para os estrangeiros”. Ele só podia andar pelo país com o seu guia turístico e sua viagem dependia do humor do mesmo. Apesar de tudo, o publicitário diz que valeu a experiência.

Antes que sejamos questionados pelos nossos leitores, voos pela Air Koryo não acumulam milhas aéreas na TAM Fidelidade e nem no Smiles da GOL.

Deixe seu comentário!