Viajando de avião com bebê: as dicas para um voo tranquilo

*Por Luana Simonini

Olívia mora longe do vovô por parte de pai, do primo e dos titios. A menina, que já nasceu com saudade de parte da família, começou cedo a viajar de avião. A primeira viagem dela foi aos seis meses de idade, quando saímos de Belo Horizonte e partimos para Uberlândia.

Pois é, quem é mineiro ou adotou Minas Gerais sabe como as distâncias daqui são montanhas imensas. Então, melhor acostumar-se com avião logo cedo.

Quando o bebê pode viajar de avião?

Ela poderia viajar a partir dos três meses, de acordo com a pediatra, pois estaria com as principais vacinas em dia. Não por coincidência, também é nessa fase em que os bebês podem fazer as primeiras aparições fora de casa.

Preferimos dar mais um tempinho não só por ela, mas também por nós. Um bebê muda completamente a vida da gente e, por mais que você já tenha lido isso antes como eu já li, acredite, você só entende na prática.

Optamos por fazer a primeira viagem de avião com ela uma semana antes de começar a introdução alimentar. Como Olívia, até então, só mamava no peito, tínhamos uma preocupação a menos.

Amamentação é mais prática do que se pode imaginar e, quando falamos de uma viagem de avião, é mais importante ainda para amenizar o desconforto dos pequenos durante o voo. Essa talvez seja a dica mais valiosa que tenho para compartilhar das minhas experiências com Olívia nas alturas.

Dica: sugar durante a decolagem e aterrissagem

Sabe aquela pressão que causa, às vezes, uma dor de cabeça durante o voo? Imagine isso em um bebê. Pois é, quando se é gente grande, a dica é mascar um chiclete para atenuar a diferença de pressão em decolagem e pouso. Como você já deve saber, bebês não mascam chiclete, então, a dica é: dê mamadeira ou peito assim que o(a) piloto autorizar o voo.

Além de se sentirem mais seguros, a movimentação de sugar ameniza (e muito!) possíveis desconfortos. Com Olívia, não foi diferente. Como ela estava mamando, não se assustou com o barulho e seguimos a viagem tranquilamente.

Na primeira vez, ela dormiu praticamente durante todo o tempo. Também, escolhemos o primeiro voo da manhã na ida e o último horário para a volta. Ou seja, escolhemos viajar nos horários em que ela já estaria dormindo. E aí?

Quais os melhores horários para viajar de avião com seu bebê?

Quando falamos do maternar nosso de cada dia, entendemos desde cedo que cada bebê é, realmente, único. O que funciona para um, não funciona para o outro. Aí a gente se frustra. Se identificou aí? Eu sei. Te entendo. Por isso, deixo claro que não há regra, principalmente para falar do melhor horário para viajar de avião com seu neném.

Com Olívia, sempre optamos pelos horários em que ela já esteja com soninho para que não se entedie e aproveite o que a vida tem de melhor: dormir e viajar. No entanto, nem sempre é possível encontrar a combinação perfeita entre horário e preço.

Então, quem viaja de avião com um bebê precisa também ter a postos maneiras de entreter a criança. Sim, elas têm muita energia e muita curiosidade.

Como ajudar seu bebê a curtir a viagem?

Na última vez que viajamos, Olívia já tinha um ano e eu achava que ela se comportaria como um bebê de seis meses, bem tranquilinha. Sim, me enganei e precisei improvisar. O que aprendo todos os dias com Olívia é estar inteira nos meus momentos com ela.

O que isso significa? Além das viagens, sempre quando estamos juntas, é necessário estar, de fato, presente. Com isso, mudei meu olhar sobre o mundo e tudo se tornou possibilidades infinitas de descobertas e brincadeiras.

No avião, a mesinha de alimentação virou um palco para brincarmos com copinhos descartáveis. Ela também amou dar tchau para as nuvens pela janelinha, mas o que fez sucesso MESMO foi a revista disponível no bolso da frente. Ela tirava e colocava, folheava as páginas, enfim, aproveitou a viagem com o que tínhamos em mãos.

Mantive a dica de cima e ofereci o peito no momento de decolar e aterrissar. Parece ser bem tranquilo viajar com Olívia, não é mesmo? Então, nada é como parece. A questão da segurança dela é o que mais me preocupa quando o assunto é viajar de avião.

Como viajar de avião com segurança para seu bebê?  

Essa é uma questão bem polêmica. Por mais seguro que os aviões sejam, não há regras de segurança para o que o voo tem de mais frágil a bordo: o bebê. Viajar com uma criança pequena no colo não é seguro em nenhuma hipótese e parece que não temos opção.

Nas vezes em que viajamos juntas, optei por deixá-la a maior parte do tempo no canguru (sling também serviria). Assim, permaneço com o cinto afivelado em mim e oferece um pouco mais de segurança à ela.

Das vezes que voamos, deu certo e consegui deixá-la a maior parte do tempo assim. É claro que ela quis sair do colo, ficar de pé e bater na cabeça da pessoa sentada à frente, mas, como disse, tudo se transforma em uma grande brincadeira e aprendizado quando estou realmente presente no tempo dela.

Amamos viajar porque o mundo sempre nos ensina como é ter os olhos curiosos de uma criança. Sendo turista, a gente retoma às origens. Tudo é novo. Com a Olívia nos braços, a viagem ganhou ainda mais esse significado desde o momento em que fazemos o check-in.

Espero que este texto te encoraje a viajar mais. Se tem algo que aprendo na MaxMilhas é que todo mundo merece viajar mais e com um bebê é melhor ainda.

* Luana Simonini é redatora publicitária, especialista em viagem da MaxMilhas e mãe de Olívia.

Deixe um Comentário